Morando em uma tribo hippie em Nimbin

Essa viagem toda pela Austrália esta sendo bem desafiadora, acampamos muitas das noites, alguns lugares são legais outros ilegais e temos que desmontar acampamento de manhã bem cedo; temos sempre que procurar lugares para tomar banho de graça, alguns são chuveiros públicos, as vezes temos que entrar em albergues sem ninguém perceber para usar o chuveiro, cozinhamos a nossa própria comida em churrasqueiras públicas ou em parques e dormimos no chão quase todos os dias. Não está sendo fácil, mas está valendo a pena cada segundo, mesmo os desafiadores.

Para quem está acompanhando a viagem pelo Facebook e Snapchat (vsemfronteira) sabe que estava morando em uma tribo hippie em Nimbin por quase uma semana. Eu já estava achando minha viagem desafiadora antes, mas esses dias na tribo completamente me tiraram da minha zona de conforto e foi momentos para eu desafiar eu mesma e me descobrir melhor.

Eu estava acostumada a viajar sempre ficando hospedada em albergues e airbnbs e eu achava que acampar quase todos os dias já era sair bem da minha zona de conforto. Eu estava enganada. Ficar hospedada na Star Earth Tribe Sanctuary foi os dias mais desafiadoras da minha viagem.

os animais da fazenda
os animais da fazenda

Na tribo todos vivem em harmonia com a natureza e suas existências tenham o mínimo impacto no ambiente ao seu redor. Como na propriedade não há um sistema de esgoto, não é permitido usar nenhum produto químico, pois isso poluíra a água que voltará para o rio e solo. Isso significa que não poderá usar shampoo, condicionador, sabonete, detergente, repelente, protetor solar ou qualquer outro produto que contém químicos. A regra é simples, não pode colocar na boca não pode colocar na água ou solo. Então em vez de produtos químicos, eles usam vinagre e bicarbonato de soda para lavar a louça e tomar banho. Outra coisa, desodorante e perfume também não são permitidos e é recomendado tomar banho no rio que passa pelo terreno.

A propriedade também usa banheiros secos de compostagem. Isso significa que a privada é somente para fezes, urina tem que ser feita no mato. Para os amantes da natureza, também um banheiro no meio do mato com uma “vista”. Essa “privada”, não tão privativa. É um buraco no chão coberta por pedaços de madeira. Fazer o número dois nesse banheiro é bem como voltar ao tempo primitivo. Ótimo jeito de entrar mais em contato com a natureza, mas super estranho para todos aqueles que cresceram em cidades como eu.

Na casa principal há eletricidade, mas é somente por painéis solares. Isso significa que não poderá recarregar seu celular, pois não haverá eletricidade a noite para as lâmpadas. De qualquer forma o sinal de celular é terrível e é melhor se desconectar do mundo digital e se conectar com o espiritual 🙂

Acho que o primeiros dias para eu me adaptar a esse novo estilo de vida foram bem difíceis, constantemente tive que fazer algo que não estava acostumada e confrontar meus medos. Tenho pavor de rato e acho que nesses dias que passei lá consegui superar esse pânico. Quando cozinhamos temos que ter certeza que todas as superfícies estão sempre limpas, pois ratos ou outros animais podem aparecer para comer os restos. Isso é uma coisa que nunca me preocupava na cidade e fiquei mais alerta nos dias que estava lá.

Outra coisa que nunca havia me preocupado é checar se alguns inseto grudou na roupa ou corpo enquanto estava caminhando pela mata. Um dia que havia chovido muito e fomos fazer uma caminhada tive três sangue-sugas grudadas no meu calcanhar. Uma experiência nada agradável. Agora toda vez que vou a uma cachoeira ou mata sempre estou checando por sangue-sugas. Super paranóia ;P

Leia também  Porque largar tudo para viver uma vida simples na praia
tipi
Tipi

Acho que já deu para perceber que cresci em cidade grande :). Mas adoro estar próximo a natureza e experimentar situações diferentes. Acho importante se colocar em situações que muitas vezes acharia desconfortável ou estranho. Isso me ajuda a crescer como pessoa, conhecer pessoas que muitas vezes não teria oportunidade de conhecer e aprender sobre outros estilos de vida. Não acho que virarei uma hippie e irei morar em uma fazenda ou tribo, mas adorei conhecer como pessoas que escolhem esse estilo de vida vivem. Aprendi muito com eles e muito do que aprendi estou aplicando na minha vida.

Rio que passa ao lado da propriedade
Rio que passa ao lado da propriedade

Na última noite que estava em Nimbin com a Star Earth Tribe fomos convidados para participar de uma batucada na cidade. Todas as sextas feiras, por volta das 7 da noite, as pessoas locais da região se reúnem na rua principal para dançar e tocar. Cada um traz um instrumento, mas a maioria são tipos de tambores. Essa foi uma das experiências mais incríveis que tive e porque já estava morando com a tribo por 5 dias e já conhecia o estilo de vida de Nimbim, a noite foi ainda melhor. O som do batuque envolve a todos e qualquer um pode tocar ou dançar.

A galera da Tribo
A galera da Tribo

Se você quiser também viver por alguns dias ou até semanas como uma verdadeira pessoas local de Nimbim e fugir das áreas turísticas, a Star Earth Tribe é super acolhedora e sempre está feliz de receber novos membros. Se quiser ficar em uma Tipi ou acampar é só reservar uma pelo Airbnb. Se você preferir trabalhar na tribo em troca de acomodação o Pauly também pode ser contactado através do couchsurfing. Eles também tem um website que oferece cursos e onde poderá encontrar suas informações de contato.

casa principal
casa principal

A família do Pauly são os residentes permanentes da tribo. O Pauly conhece muito sobre quase todas as religiões do mundo e tem muito para ensinar sobre espiritualidade. Ele também é master em yoga e Tai Chi e sempre está pronto a ensinar aqueles que vem viver na tribo tudo o que ele sabe. A Fabiana é casada com o Pauly e é ela é uma brasileira que quando tinha 6 anos de idade mudou para França, depois Suiça, Brasil de novo e agora mora na tribo na Austrália. O filho deles de 4 anos, o Atlan, é uma das crianças mais incríveis que já conheci. Ele não sabe mexer em um smartphone, mas conheci todas as plantas e árvores da região e sabe para que cada planta serve. Ele não tem nenhum brinquedo, mas nunca se importou com isso, pois a natureza é o playground dele. Ele é muito inteligente e irá crescer respeitando e vivendo em harmonia com a natureza.

Atlan
Atlan

Viver com a tribo foi uma experiência muito interessante que nunca irei esquecer. Aprendi tanto em somente 5 dias que provavelmente nunca iria aprender minha vida toda.

 

 

 

 

2 comentários em “Morando em uma tribo hippie em Nimbin

  1. Oi Nathalia!
    Que post enriquecedor! Sabe, a vida é curta e quase ninguém se dá conta disso… Por isso é muito importante passar por experiências como essa e enxergar novos ângulos e outras formas de viver. Parabéns por se permitir viver com intensidade. Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *