Bangkok, a São Paulo da Ásia

Viajar pela Austrália foi uma experiência incrível que me tirou completamente da minha zona de conforto e que me preparou muito para minha viagem para o sudeste asiático. Não me importo mais em dormir em qualquer lugar e viajar por muitas horas pela estrada, a jornada é mais importante que o destino.

Já havia visitado a Tailândia a 6 anos atrás, mas foi estranho voltar para esse país novamente. Tenho que confessar que não estava preparada para o que estava por vir.

Assim que sai do avião, senti aquele calor úmido, língua completamente diferente e uma cultural bem diferente. Sabia que essa seria uma viagem com experiências completamente diferentes que havia vivido antes.

Cheguei sozinha no aeroporto de Bangkok  às 2 da manhã e nos próximos dias meus amigos iriam chegar de diferentes países e me encontrar. Porque estaria chegando muito tarde e queria descansar um pouco da viagem pela Austrália resolvemos alugar um apartamento pelo Airbnb por alguns dias em Bangkok.

Às duas da manhã minha missão era achar um táxi que poderia me levar para minha acomodação. Por mais que no aeroporto haja placas em inglês, tudo é meio bagunçado e difícil de entender. Os tailandeses quase não falam inglês e qualquer pergunta que eu fazia eles simplesmente sorriam e apontavam para algum lugar. Nessa brincadeira de sorrir e apontar finalmente consegui pegar um número para um táxi em uma máquina no primeiro andar do aeroporto e achar meu taxista.

bangkokClaro que o taxista não falava nada de inglês, mas havia levado um papel com as direções para o apartamento em tailandês que a pessoa do Airbnb havia me dado.

O tráfico em Bangkok é uma bagunça organizada que só quem mora lá entende. Moto é o principal meio de transporte, mas o número de carros tem aumentado a cada ano. Já vi de tudo nesse país, uma família inteira em uma moto (pai, mãe e duas crianças), mãe, filho e cachorro, duas pesoas carregando uma bicleta na moto e muitas várias outras cobinações estranhas. Além disso há cachorros e gatos por todo lado, principalmente deitados no meio da rua e dirigir na contra-mão parece ser normal por aqui.

Esperar o tráfigo parar para atravessar a rua é uma missão quase impossível. A melhor maneira é seguir algum pedestre tailândes, pois parece que eles sabem o que estão fazendo. Simplesmente eles atravessam entre os carros e motos e parece que dá certo.

O taxista me deixou no condomínio onde supostamente era o meu Airbnb, mas os porteiros não falavam nada de inglês para me dizer isso. Entre sorrisos e sinais, conseguimos nos comunicar e um dos porteiros me levou até o apartamento que havia alugado e o senhor do Airbnb estava me esperando.

O bairro onde estava hospedada não é nada turistíco e fica a 20 minutos do centro da cidade. Por conta disso simplesmente ninguém falava inglês e tudo estava escrito em tailândes.

No dia seguinte quando acordei resolvi me aventurar pelo bairro. Tentando me comunicar por sinais comi algo em um restaurante local que até agora não sei o que era, mas com certeza foi a comida mais apimentado que comi até agora. Como estava com muita fome e não queria fazer desfeita comi aquele prato de macarrão asiático entre uma garfada e um gole de água. Estava quase chorando e minha boca estava pegando fogo, mas consegui terminar a comida. Uma coisa era certa, não comeria mais naquele restaurante.

Leia também  100 dias na Estrada – como é realmente viajar quase sem dinheiro
Meu primeiro almoço e o menu estava todo em tailandês. Tive que apontar para uma figura e torcer para comida ser boa
Meu primeiro almoço e o menu estava todo em tailandês. Tive que apontar para uma figura e torcer para comida ser boa

Por mais que haviam muitas barreiras com a língua e não entendia nada que estava escrito em todos os lugares, consegui almoçar, comprar um chá gelado, fazer compras no supermercado, fazer uma massagem tailandesa e fazer amizade com os porteiros do condomínio. Falar inglês ajuda muito em algumas situações, mas linguagem de sinais é muito mais eficiente em várias situações.

Assim que a minha amiga e irmão chegaram de avião resolvemos pegar um taxi e explorar um pouco da área turistíca de Bangkok. A rua mais famosa entre mochileiros é a Kho San Road. Lá há muitos hostels e guesthouses, vários templos, centenas de bares e lugares para fazer massagem, vários lojas de tatuagem, muitas agências de turismo, tuk tuks por todo lado, dezenas de pessoas tentando de vender de tudo e festa todos os dias. Tudo que os turistas gostam em Bangkok concentrado em um só lugar.

Kho San Road
Kho San Road

Por mais que estava hospedada longe da área turistica, foi bom para conhecer como é morar nessa cidade. Bangkok é uma cidade gigatesca e bem parecida com São Paulo 10 anos atrás. É uma bagunça organizada, onde muitas coisas são bem baratas, dinheiro é a principal forma de pagamento (cartão não é aceito em muitos lugares), existem cachorros e gatos de rua por todo lado e o tailâdes da um jeitinho para tudo. Por mais que Bangkok não seja uma cidade muito segura, acredito que seja mais seguro que São Paulo.

Estrangeiros acabam pagando mais do que pessoas locais, mas os tailandeses adoram negociar preços. Então por mais que irá pagar mais por uma passagem de ônibus, tente negociar o preço, pois geramente conseguirá um bom desconto do preço original.

O melhor de Bangkok é que é fácil para brasileiros mudarem para essa cidade. Com o passorte brasileiro temos direito de morar no país por três meses, mas se sair do país por algumas horas e retornar de novo poderá pegar mais um visto de três meses. Conheci muitas pessoas de várias nacionalidades de já estão morando no país por anos, trabalhando em turismo ou ensinando inglês, que a cada 3 meses vão para um país visinho para renovar o visto.

Por mais que haja a barreira com a língua, muitos estrangeiros moram no país por muito tempo e numca aprenderam a língua local. A cultura tailâdesa é super receptiva para outras nacionalidades e é um ótimo lugar para morar por alguns anos, conhecer outras culturas e pessoas e sair da loucura do Brasil.

 

Um comentário em “Bangkok, a São Paulo da Ásia

  1. Maravilhoso !Estou me organizando para me desorganizar e viver mais a vida ,como já diziam os poetas autores desta frase “Organizando para me desorganizat” Lindo !Boa Sorte que estou chegando ! Se bem que já estou nessa há alguns anos não por enquanto para tão longe ….Boa Sorte meninas !❤💙💛👍👌👊👋✌👊👊👊👊

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *