50 anos e viajando sozinha

Ouvi muita gente falar, “se eu fosse mais jovem viajaria o mundo”. Na realidade o tempo não volta atrás, mas isso não quer dizer que somente jovens podem mochilar.

Durante a minha viagem pela Austrália, conheci uma pessoa que me inspirou muito e tenho certeza que irá inspirar muitas outras. A Cathy tem 50 anos e estava viajando pela Austrália em uma campervan por 8 meses.

Você deve estar pensando que a Cathy é uma hippie que viajou a vida inteira, mas para a minha surpresa ela é o oposto. A Cathy tem uma filha de 20 e poucos anos e tem um trabalho em um escritório em Canberra (capital da Austrália). Uma vida bem normal. De repente, tudo mudou quando o marido dela de 30 anos de casamento a deixou. A Cathy então decidiu viver para ela e não para os outros. Decidiu fazer aquelas viagens que sempre sonhou e também uma tatuagem na bunda. 😉

Ela contou que a primeira viagem que fez foi pela Europa, onde a filha dela estava morando. Essa viagem a fez ver que a juventude está no espírito e que agora ela estava livre para viajar para onde quisesse.

Assim que voltou de um mês viajando pela Europa, começou a planejar a viagem que sempre quis fazer com o ex-marido e que nunca havia feito até agora, viajar de automóvel pela Austrália. A Cathy planejou tirar oito meses de folga do trabalho, fazer uma trilha de 15 dias por Alice Springs e alugar uma campervan para viajar a costa oeste da Austrália.

Logo antes de começar a sua viagem ela foi visitar os pais. Seu pai estava doente e muito velho e logo que ela chegou em Alice Springs para começar a trilha de 15 dias ele morreu. Como ela sabia que o pai dela queria muito que ela fizesse essa trilha, ela então adiou o funeral por duas semanas e foi fazer essa trilha. A Cathy me disse que esses 15 dias foram ótimos para ela se descobrir, se conectar com a natureza e começar um novo capítulo na vida dela.

Foram 15 dias difíceis, acampando no meio do nada, andando muitos quilômetros por dia em um calor escaldante e escalando montanhas, mas que valeram muito a pena. São em momentos que nos colocamos em situações difíceis que percebemos que somos mais fortes do que pensamos.

Após 15 dias de trilha a Cathy voltou para o funeral do pai, antes de embarcar para Western Australia, comprar uma campervan e viajar por quase 8 meses sozinha pelo país.

Leia também  Viajando sozinha: primeiros passos

Conheci a Cathy no começo da viagem dela, em Broome, uma cidade praiana no noroeste da Austrália. A conheci no centro de informações da cidade, ela simplesmente ouviu a conversa entre eu e minha amiga e começou a conversar com a gente. No mesmo dia mais tarde, acabamos encontrando ela de novo em um bar da cidade e sentamos para tomar uma cerveja e bater um papo. A Cathy nos contou que ela frequentemente começa conversas com estranhos e que esse é um ótimo jeito de se abrir para novas oportunidades e conhecer pessoas diferentes. Por exemplo, se a Cathy nunca tivesse falado comigo, provavelmente nunca teria a conhecido e aprendido sobre a sua história.

Pôr do sol em Broome
Pôr do sol em Broome

Mantive contato com a Cathy depois que fui embora de Broome. Ela estava fazendo um rota parecida com a minha, mas em 8 meses e não em 3 semanas como eu fiz. Ela iria dirigir para o sul da Austrália parando em algumas cidades pelo caminho e parar em Margaret River por umas semanas onde iria cuidar de uma casa. Existe muitos websites onde pode encontrar pessoas que estão saindo de férias e precisam de alguém para cuidar de sua casa e animais de estimação. Então poderá ficar hospedado na casa de graça em troca de cuidar da casa da pessoa. Uma ótima maneira de economizar em acomodação. Alguns websites que oferecem esse serviço são TrustedHousesitters.com, MindMyHouse.com, Caretaker.org e Nomador.com

Durante a viagem pelo oeste da Austrália conheci muitos outras pessoas com a Cathy, que depois de terem filhos e trabalharem a vida toda, resolveram largar tudo para viver na estrada. Essas histórias me inspiraram muito e me fizeram começar a pensar em um outro estilo de vida, onde se vive viajando com pouco dinheiro e trabalhando somente quando for necessário, ao contrário do estilo tradicional, onde se trabalha muito e viaja pouco.

A Cathy me fez ver que nunca é tarde demais para viajar e fazer um mochilão. Viajar é como se fosse uma fonte da juventude. Te mantém antenado com você mesmo e com o mundo.

4 comentários em “50 anos e viajando sozinha

  1. Oi Nathalia. O ano de 2016 foi para mim um ano que ficará para sempre em minha memória. Realizei meu grande sonho de conhecer a Austrália e a Nova Zelândia. Fui sozinha, eu e Deus. Mas, eu gostaria imensamente de conhecer alguém como a Cathy, a qual você citou neste post. Parabéns pelas viagens realizadas neste ano, que em 2017 você continue se aventurando por esse mundão afora. Se existe coisa melhor que viajar, Deus escondeu de mim, rsrsrsrs. Feliz Ano Novo para você e sua família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *